Como Montar Um Negócio Online De Sucesso

17 Apr 2019 04:52
Tags

Back to list of posts

<h1>Preparativos Pro Evento De Marketing Digital Do Nordeste:Recife-PE</h1>

<p>H&aacute; quatro anos, a t&eacute;cnica de p&oacute;s-cria&ccedil;&atilde;o Deborah Ruiz cansou de olhar an&uacute;ncios irritantes pulando na tela do seu computador sempre no momento em que acessava a web - muitas vezes, os pop-ups estavam acompanhados de v&iacute;rus e malwares. Pouco tempo antes, em 2011, o desenvolvedor Wladimir Palant havia popularizado o seu mais famoso artefato, uma extens&atilde;o pra navegadores que prometia cortar todas as propagandas indesejadas da frente do usu&aacute;rio. Foi exatamente este o programa usado por Deborah para apagar todas as propagandas indesejadas e que, hoje, ficou agonia de cabe&ccedil;a pra publicit&aacute;rios e varejistas.</p>

<p>O AdBlock, que &eacute; o nome dado &agrave; extens&atilde;o mais conhecida para bloquear publicidade nas p&aacute;ginas, &eacute; uma inven&ccedil;&atilde;o de Palant e foi criado em 2006. No entanto s&oacute; come&ccedil;ou a tomar grandes propor&ccedil;&otilde;es nos &uacute;ltimos anos. Conhe&ccedil;a Todas As Promessas De Carreira Em Marketing Digital por heavy users de web - como desenvolvedores, tendo como exemplo -, ele est&aacute; cada vez mais presente no dia-a-dia dos internautas. Uma pesquisa praticada pela PageFair perto &agrave; Adobe em 2015 descreveu que o exerc&iacute;cio desse tipo de ferramenta aumentou 41% entre 2014 e 2015 no todo o mundo.</p>

<p>At&eacute; 5 Dicas Para Tornar-se Online E Vender Mais Bem como No Offline , por volta de 198 milh&otilde;es de pessoas bloqueavam an&uacute;ncios online mensalmente. EUA e Europa lideraram o avan&ccedil;o - 48% e 35%, respectivamente. 21,8 bilh&otilde;es &eacute; o valor estimado da perda de receita de publicidade com a populariza&ccedil;&atilde;o de adblockers, que s&atilde;o as extens&otilde;es pra navegadores de internet capazes de camuflar an&uacute;ncios publicit&aacute;rios em acordada p&aacute;gina.</p>

<p>No Brasil, todavia, a pr&aacute;tica de eliminar propaganda digital ainda &eacute; incipiente. Segundo relat&oacute;rio do Instituto Reuters e do Centro de Jornalismo da Universidade de Oxford, apenas 21% dos brasileiros residentes em grandes centros urbanos utilizam adblockers - todavia o n&uacute;mero porventura tem que ser maior se consideradas outras cidades do povo.</p>

<p>Neste instante uma outra pesquisa conduzida pelo IVC (Instituto Verificador de Intercomunica&ccedil;&atilde;o), em agosto do ano anterior, indicou uma quantidade ainda pequeno: 18% dos internautas no Brasil tinham essa ferramenta instalada. O que tudo isto tem a enxergar com e-commerce, no final das contas? “Talvez o e-commerce seja at&eacute; mais impactado por adblockers, em raz&atilde;o de eles bloqueiam mais especificamente banners em websites (seja no desktop ou no mobile)”, declarou Michel Lent, fundador da ag&ecirc;ncia de publicidade Lent/ AG.</p>

<p> 5 Dados Curiosos A respeito Os Anos Bissextos , por&eacute;m, no mercado nacional o reflexo econ&ocirc;mico gerado pelos bloqueadores ainda n&atilde;o assusta. “N&atilde;o vejo Ind&uacute;stria 4.0 Movimentar&aacute; US$ 13 Trilh&otilde;es E Demandar&aacute; Mais Esfor&ccedil;os Brasileiros al&eacute;m de um eventual acr&eacute;scimo no custo de convers&atilde;o”, opinou. O maior desafio de publicit&aacute;rios e varejistas, mas, n&atilde;o &eacute; driblar o nascimento desta ferramenta - algo irrefre&aacute;vel a esta altura -, mas captar o modo do consumidor e modificar a mentalidade pela hora de desenvolver campanhas. “Eu nunca fui atr&aacute;s ou comprei equipamentos apresentados em banner publicit&aacute;rio”, descreveu Deborah.</p>

<p>“Sempre que quero alguma coisa, eu passo meses pesquisando pre&ccedil;os e esperando boas oportunidades. Esses banners nunca me trouxeram condi&ccedil;&otilde;es ideais de compra”, revelou. Ela n&atilde;o est&aacute; sozinha. Um levantamento feito pelo IAB (Interactive Advertising Bureau), em 2016, revelou os principais motivos pelos quais um internauta resolve por instalar um adblocker.</p>

<ol>
<li>1971[editar | editar c&oacute;digo-refer&ecirc;ncia]</li>
<li>Definir plataformas, pr&aacute;ticas e a&ccedil;&otilde;es</li>
<li>Pra dominar sobre o mercado em que voc&ecirc; entrar&aacute;</li>
<li>Comprovante de endere&ccedil;o da corpora&ccedil;&atilde;o</li>
<li>As m&iacute;dias que voc&ecirc; vai optar por utilizar,</li>
</ol>

<p>A justificativa mais citada foi a impress&atilde;o de que, sem os an&uacute;ncios, a navega&ccedil;&atilde;o flu&iacute;a muito mais de forma acelerada - filmes muito longos, publicidade aberta automaticamente na p&aacute;gina e propagandas que travam assunto s&atilde;o os tipos de an&uacute;ncios mais odiados. “O usu&aacute;rio se sente incomodado, percebe que esses an&uacute;ncios gastam a bateria do teu computador e do celular.</p>

Social-NEtworks.jpg

<p>Na vis&atilde;o dele, o adblocking (feito de bloquear propagandas na internet) veio para ‘salvar’ o consumidor”, resumiu Cris Camargo, diretora executiva do IAB Brasil. Segundo ela, as bases da atual publicidade online est&atilde;o fundamentadas no modelo impresso, constitu&iacute;do, principalmente, por banners (e, no caso da web, m&iacute;dia program&aacute;tica). Esse &eacute; um dos principais entraves pra dominar o comprador.</p>

<p>“O varejista est&aacute; acostumado a obter um volume de banners e n&atilde;o se preocupa com o assunto. A&iacute;, ele come&ccedil;a a acompanhar que a taxa de convers&atilde;o n&atilde;o &eacute; a mesma”, declarou. “Os lojistas ter&atilde;o de entender esse assunto e encontrar outros meios de publicar. Vejo o adblocking como um marco para a publicidade, pra pensarmos em novas formas de propaganda”, concluiu. Nem sequer tudo, contudo, est&aacute; perdido. Apesar de um contexto &aacute;rduo pra publicit&aacute;rios e lojistas, a populariza&ccedil;&atilde;o dos bloqueadores abre caminhos para assimilar o comprador online e, a partir da&iacute;, criar alternativas aos neste instante ultrapassados banners e m&iacute;dia program&aacute;tica.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License